MENSAGENS RECEBIDAS

Página de mensagens, opiniões, propostas e sugestões de pessoas e movimentos culturais, ambientalistas e identitários, tais como negros, índios, indiodescendentes, mestiços etc.

Participe, enviando e-mail para: unidbrasil@unidbrasil.com.br 


MSG RECEBIDAS (APENAS ALGUMAS)

De: maiconr5@hotmail.com
Enviada: Quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2014 16:40
Para: txay@uol.com.br
Assunto: RE: Descendencia no RS..??

Sr. Ary, muito obrigado por ter me esclarecido sobre esse tema,a Funai eu tentei mais é quase impossível eles fazerem uma verificação de nossos antepassados...mas vou verificar isso na universidade...caso precise deste "muito pouco" que pra mim pode ser MUITO entro em contato com vcs, Obrigado mesmo e o site da UNID ta um espetáculo muito bom...mas o melhor do site são vcs que trabalham e prestam informações solicitas e de modo rápido a todos.Fica com Deus.

Date: Thu, 20 Feb 2014 12:29:03 -0300
From: txay@uol.com.br
To: maiconr5@hotmail.com
Subject: Re: RE: Descendencia no RS..??

Maicon: em primeiro lugar vc deve buscar informações oficiais, corretas, junto à universidade para saber previamente se eles aceitam apenas a sua declaração ou autodefinição, como aceitam dos negros. Se eles não aceitam, entendemos que estão violando a Constituição Federal (leia os "editoriais" do www.unidbrasil.com.br). Restaria a vc recorrer à justiça a fim de conseguir uma liminar que obrigue a universidade a fazer a sua matrícula, se vc for classificado como cotista. Resumindo: 1. Vc só terá chances de entrar com uma ação se tiver o apoio de um bom advogado, de uma entidade de defesa dos direitos humanos. 2. O que a UNID pode fazer por vc é muito pouco, nada mais do que fornecer-lhe uma cópia de uma das declarações com argumentos antropológicos e políticos sobre o caso - isso poderíamos fornecer-lhe, sem a garantia de que lhe abrisse as portas da universidade. Enfim, um bom advogado saberá buscar essas fontes do direito e da antropologia, inclusive consultando nosso www.unidbrasil.com.br e outras fontes acadêmicas, como Eduardo Viveiro de Castro, antropóloga Celene Fonseca e outras.

Abraço,
Ary  Txay (Salvador-Ba) 

De: maiconr5@hotmail.com
Enviada: Quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2014 15:59
Para: txay@uol.com.br
Assunto: RE: Descendencia no RS..??

Sr.Ary se eu fizer um vestibular e precisar de um documento ...pois eles nao aceitam minha historia ou historia que minha mae conta sobre minha bisavó,eles nao aceitam...querem documentos como posso consegui-los,vcs podem me ajudar nisso...???

 ________________________________________

De:unidbrasil@unidbrasil.com.br - Para:"Gisele Costa" <giselebis2011@hotmail.com>Data:Sex, Nov 16, 2012, 15:44

Oi, Gisele! Acho valioso esse interesse pelas raízes, uma verdadeira crônica dos sofrimentos e das alegrias do ser humano. Lamentavelmente, no tocante à indianidade há enorme barreira para o levantamento de dados visto que os índios batizados pelos padres - quando a igreja substituía os cartórios - não recebiam nomes indígenas ou das etnias. Mas essa busca tem um valor espiritual/cultural muito importante. Boa sorte!
Ary Txay

Original Message
From: Gisele Costa <
giselebis2011@hotmail.com>
To:
unidbrasil@unidbrasil.com.br
Sent: Sex, Nov 16, 2012, 13:35 PM
Subject: Descendência

Boa tarde, amei conhecer o site de vcs.
Meu pai sempre falou ser descendente de caboclo, a família da minha mãe espanhola.
A família da minha mãe já fez toda busca da família e localizou tudo. Já a do meu pai nunca teve essa oportunidade.
Mas hoje já tenho 40 anos e dos irmãos do meu pai só ele é vivo. Vou começar essa busca para ajudá-lo pois tem 72 anos.
Esse site me inspirou com muita história. Como quero dar conta de pesquisar tudo isso.
Pedi a certidão do nascimento do meu pai, vou localizar dos meus avós e abisavós quero ir longe tbm como os espanhóis da família da minha mãe.

                                                                        ________________________________________


Mensagem original
From: Larissa Lima:
larissa.s2.lima@hotmail.com
To: unidbrasil@unidbrasil.com.br
Sent: Qua, Jul 4, 2012, 1:14 AM
Subject: Aluna da UNEB parabenização

Ary,
Parabéns pelo site e as informações sobre a UNEB.
Sou aluna cotista indígena e ingressei na UNEB devido a documentação emitida pela UNID. Sou muito grata a todos vocês e vamos continuar lutando pelos nossos direitos!
Agradeço a todos pela força.
um grande abraço!
Cordialmente, 
Larissa


                                                              ________________________________________


Mensagem original
De: unidbrasil@unidbrasil.com.br
Para: "Eder Antunes de Brito" ederbrito01@gmail.com
Data: Sex, Jun 1, 2012, 18:11
Assunto: Re: Comprovante de indiodescendente


O estado não pode tudo, não pode, p. exemplo, exigir de qualquer cidadão a comprovação de sua identidade quando ele se autodeclara; assim ocorre quando da realização do Censo Populacional brasileiro pelo IBGE. A exigência de comprovação identitária pela UNEB e outras universidades é uma afronta ao direito e uma violação das convenções internacionais dos direitos humanos, inclusive da Declaração de Durban e da Resolução 169 da OIT; também trata-se de uma violação da CF do Brasil. Recomendo leitura da tese do prof. da UFRJ, PhD em antropologia, Eduardo Viveiro de Castro - disponível na web, idem www.unidbrasil.com.br - com o título QUEM PODE SE AUTODECLARAR INDIO NO BRASIL?
Não mais fornecemos declarações para vestibulandos da UNEB pelo fato de que o jurídico dessa universidade posicionou-se contra o recebimento das mesmas - no entanto mais de 10 jovens conseguiram matricular-se com essas declarações em 2010 e 2011. Enfim, sugiro que recorra à OAB, MP Federal e Estadual e à Justiça - pode entrar com um pedido de liminar em mandado de segurança - como fez um vestibulando em Jacobina, ano passado (vide www.unidbrasil.com.br/editorial.
Desejo-lhe boa sorte,

Ary Txay

Mensagem original
De:  Eder Antunes de Brito <ederbrito01@gmail.com>
Para:  unidbrasil@unidbrasil.com.br
Data:  Qua, Mai 30, 2012, 8:39 AM
Assunto: Comprovante de indiodescendente

Bom dia
Como devo proceder para conseguir uma declaração que sou descendente de indios o pai do meu avô era Guarani da região Sul do Brasil. Ainda hoje existe traços fisicos de indios em meus parentes. Grato

________________________________________


De: Aldeneiva Celene de Almeida Fonseca

Para: UNID
Data: Fev 27, 2012


Assunto: Re: indiodescendencia
Maravilha Ari. Nossa luta tem tudo prá dar certo. Mas temos que pensar nos destinos do país. É assunto complicadíssimo, temos que ter uma estratégia clara.

De: UNID
Para: Aldeneiva Celene de Almeida Fonseca
Data:
Fev 25, 2012 

Jarina: tenho recebido inúmeras msgs iguais a sua. De certo modo fico ainda mais perplexo no seu caso pois trata-se de pessoa, indígena, com formação refinada, mestrado. Tenho refletido e escrito muitas laudas sobre a absurda democracia brasileira em que o estado tem o poder de classificar as pessoas, inclusive se é ou não é descendente (?) de uma família indígena. Você certamente tomou conhecimento do embate que temos enfrentado com a UNEB (Universidade de Estado da Bahia) que rejeita os cotistas indígenas autodefinidos e exige dos mesmos "comprovação de identidade", se aprovados ou quando da matrícula. Nós, brasileiros com um mínimo de massa cinzenta na cabeça temos que denunciar e protestar contra esse abuso absurdo. o Dr. Eduardo viveiro de Castro coloca a questão no seu devido lugar - vide na web, inclusive no site unibrasil.com.br. Desejo manter contato contigo; quem sabe, no futuro poderíamos realizar um painel nacional de debates sobre identidade e autodefinição. Fiquei feliz com o  teu contato - teu nome será incluído no rol dos "nomes indígenas" de um dos meus livros - quase pronto: INDIOS EM SALVADOR, identidade, Memória e Alteridade - e ainda em  Nomes de Índios - e em no Nomes Indígenas.
Grande abraço, manda notícias,
 
Ary Txay (Salvador, Bahia)

________________________________________



 
From: Jarina Guimarães
To: UNID

Data: Fev 23, 2012

Subject: indiodescendencia

Olá, gostaria de saber como faço pra provar minha indiodescendencia... sou descendente dos tikuna, tenho muito orgulho disso, já sou formada, e mestre pela UFF, não estou interessada em cota, mas tenho orgulho de minha descendencia e gostaria de ter "direito" de assumi-la...assim como no caso dos negros, minha aparencia é totalmente india, apesar das misturas...não sei por onde e como começar...
Se puderem me dar uma dica, ficarei muito grata!
Abraços, adorei o site!!!
Aguardo Jarina Guimarães

________________________________________



De: Cibele Santiago (arquiteta) 
Data: 4 de janeiro de 1202
Ary: Acessei o site e o seu poema do descobrimento. Excelente iniciativa! Só a gente lendo um texto assim, mostrando a matança de índios em toda a América, é que a gente vê a quantidade da população que foi morta. Realmente um absurdo!
Um abraço,

Cybèle


________________________________________

De: Renato Soares

Para: "unidbrasil@unidbrasil.com.br" 
Data: Qui, Nov 3, 2011, 23:20

Assunto: UNEB JUSTIÇA

José de Arimatéa N. Alves - Presidente da UNID  MUITO OBRIGADO POR TUDO 


RENATO DE OLIVEIRA SOARES LEIA SENTENÇA  - JUIZ: HOSSER MICHELANGELO SILVA ARAUJO
  
 Sentença: ... Sendo assim, CONCEDO A SEGURANÇA ao impetrante RENATO DE OLIVEIRA SOARES para o fim de determinar à autoridade impetrada que, no prazo de 05(cinco) dias, sob pena de responsabilidade pelo crime de desobediência, proceda a matrícula do impetrante no curso de direito da Universidade Estadual da Bahia, campus IV - Jacobina, inscrição 111829322. Decisão sujeita ao duplo grau de jurisdição (Lei nº 12.016/2009, art. 14, § 1º), pelo que determino, decorrido o prazo de eventual recurso voluntário das partes, a remessa dos autos ao Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, sob as cautelas de praxe. Dê-se conhecimento à impetrada para cumprimento da decisão na época ordenada, sob a forma e as penas da lei. Defiro o pedido de assistência judiciária gratuita para o impetrante. Sem custas em razão da impetrada estar no execício de função dentro da administração pública indireta. Sem condenação ao pagamento de honorários advocatícios, nos termos das Súmulas 512 do STF e 105 do STJ. Publique-se, registre-se e intimem-se

______________________________



De:  "joelma ferreira

Para:  UNID
Data:  Fev 2, 2011

Assunto: AGRADECIMENTO

Olá Sr. José  de Arimatéia!

Quero agradecer, mais uma vez, por ter ajudado minha filha com a declaração para a matrícula da UNEB. Quero também informar que, enviei e-mail para todos os meus amigos, pedindo que visitem o site da UNID e abracem a causa. Coloquei o site no facebook.

Em breve, minhas filhas e eu iremos nos associar a UNID.

Obrigada,e Deus o abençoe!    
Joelma Ferreira

  Tudo  é  uma  questão  de  manter : a mente  quieta , a espinha ereta , e   o coração tranquilo!

_______________________________

 

ARANCIBIA, UM JOVEM  DESCENDENTE DO POVO PICUNCHE (CHILE) MOSTRA A SUA CARA, EM SALVADOR, BAHIA, BRASIL.

---- Original Message ----
From: rodrigo alex henríquez arancibia<rodrigo.arancibia@hotmail.com>
To: unidbrasil@unidbrasil.com.br
Sent: Sex, Dez 31, 2010, 19:53 PM


O meu nome é Rodrigo Arancibia,  moro em Salvador tenho, 17 anos sou filho de chilenos e sou descendente do povo picunche, já extinto, infelizmente. Desde pequeno sempre admirei os diversos povos indígenas e sempre mantive uma certa sensibilidade às  suas duras realidades. Neste ano,  em especial, comecei a me interessar por estas realidades e decidi em me  engajar pelos direitos dos povos indígenas . Esse site foi indicado pelo meu professor de historia, membro do MNU.Bem eu gostaria de começar a me engajar, com  vocês poderiam me ajudar?
Desde já, obrigado.

  

To: rodrigo.arancibia@hotmail.com
Subject: Re: ameríndios
Date: Sun, 9 Jan 2011 23:52:06 -0200

Olá Rodrigo! Tua mensagem é bem vinda. Nossa visão sobre os povos nativos é ampla, daí nosso interesse pelos demais povos da América, sobretudo da América do Sul. Sim, poderemos dialogar, trocar idéias sobre propostas de estudo, investigação e difusão da cultura ameríndia. Conheço uma antropóloga que tem muita aproximação com o pessoal do MNU e é uma das fundadoras da UNID, trata-se de Celene Fonseca. Vou colocar a tua mensagem no nosso site.
Que curso vc faz  e qual a faculdade/universidade?
Cordialmente,
Ary Txay 

---- Original Message ----
From: rodrigo alex henríquez arancibia<rodrigo.arancibia@hotmail.com>
To: unidbrasil@unidbrasil.com.br
Sent: Fev 07, 2011, 19:00 PM


Desculpe por ter demorado a responder; conclui o ensino médio em  2010 e estou ainda um pouco indeciso em que faculdade quero cursar. Mas renovo o imenso desejo que tenho em participar deste debate que a UNID propõe; gostaria  me enviassem artigos, noticias qualquer coisa que me ajude a entender mais sobre o assunto .mas gostaria de fazer um comentário sobre algo que me tem incomodado muito, e ja faz muito tempo. Refiro-me ao ao modo como a grande mídia, especialmente a televisão, se refere aos povos indígenas ,sempre usam o termo ´´índios ´´. Observando a origem deste termo, concluo que é muito mais que pejorativo, mas sim a atualização do processo colonizador, é uma sentença como uma vez me disse um professor amigo, é afirmar que não são povos, pessoas, gente humana, mas sim ´´índios´´.Seriam bestas? Monstros? Serão humanos? Pensam? Podem protestar? Tem o direito de lutar?
 
Rodrigo Arancibia

________________________________________

MENSAGEM DE UM COTISTA INDÍGENA DA UNEB
 
(DOMICILIADO EM CAMPO FORMOSO-BA), 
PARA A UNID, EM 24/01/11:*

 

BOM DIA

 

Meu nome é Reginaldo Batista de Souza, estou enfrentando problemas e entrando em contato com vocês, porque pelo que parece vocês são a única organização na Bahia que pode resolver meu problema. Fui aprovado no vestibular da UNEB, Campus 7, pelo sistema de cotas indígena,  mas a universidade precisa de uma comprovação emitida por uma organização indígena devidamente reconhecida e eu não sou ligado a nenhuma, até o momento. No entanto tenho como comprovar que sou indiodescendente, mas isso só não é suficiente. Eu sou genuinamente nascido em Campo Formoso, Bahia, cidade que originou-se de uma aldeia de índios {...] Toda a minha família, da parte da minha mãe, principalmente, é descendente de índios, a bisavó de minha mãe nem português falava direito [...] a mesma não tinha documentação por tratar-se de índia selvagem remanescente [...] de aldeias que existiram aqui na nossa cidade.[...] Até hoje temos terras deixadas de geração após geração que estão documentadas porque o governo concedeu títulos de posse [...] Até hoje encontramos nas imediações das nossas terras ruínas de uma igreja, chamada Igreja da Gameleira,.que foi construída pelos padres da companhia de Jesus (Jesuítas) para catequizar esses índios dos quais eu sou descendente. 

 

Aqui está a minha história.

 

Gostaria muito que os senhores da UNID me ajudassem a ingressar na faculdade, porque além de ser um sonho meu, serei o primeiro da minha parentela [indígena] a conseguir fazer um curso superior.

 

Grato pela atenção, fico aguardando com ansiedade a resposta.

 

 

Reginaldo Batista de Souza

*Editado

PS/UNID: Consideramos a msg do Reginaldo muito expressiva. Posteriormente, quando da sua entrevista na UNID, ele também autodefiniu-se como  lavrador e apresentou cópia da certidão (1940)  de nascimento do seu avó, nascido em 22.02.1916, contendo  nome dos bisavós, todos de raiz indígena, segundo Reginaldo.  Claro, fornecemos a declaração como era seu direito, indispensável para a sua matrícula no curso de ciências contábeis.  Ary Txay

==============================================================
 

Em, 30/03/2010
Celene Fonseca*

Escreveu:
ANTROPÓLOGA VÊ AVANÇOS


... Entrei no site da UNID e gostei muito; inclusive os comentários a respeito da UNEB - nossa luta não foi em vão, viu? Nas minhas aulas, em Alagoinhas, tenho falado na UNID. O trabalho é árduo, mas os alunos estão adorando minhas aulas.

Abs,

*(Celene Fonseca é antropóloga, fez mestrado na França dissertando sobre os tupinambás; consultora (CEPAIA) e docente na UNEB; fundadora e conselheira da  UNID)


________________________________________

Em, 27/03/2010
Pedro Vasconcelos*

Escreveu:
Prezado José de Arimatéa,

Visitei o seu site, vocês estão de parabéns. É interessante que haja um movimento de defesa dos índios e seus descendentes, sobretudo para evitar a lógica norte americana de que só existem "brancos" e "afrodescendentes": como ficam talvez um terço dos brasileiros de origem indígena, sobretudo por parte das mães? Tanto na Amazônia, como nos sertões, e mesmo em S. Paulo e Minas, sem falar no extremo sul, a contribuição indígena foi enorme. Os negros ficaram mais no litoral onde tinha cana de açúcar e depois foram levados para as minas, e posteriormente para as regiões do café.

O historiador Murilo de Carvalho escreveu, v. deve saber, um artigo sobre o "etnocídio estatístico", comentando que a soma de negros e pardos como afrodescendentes estava, mais uma vez, eliminando ou escondendo a contribuição indígena na formação do nosso povo.

Quanto ao ensino público, concordamos em tudo, acho. 

Cordialmente,
Pedro Vasconcelos 

*Pedro Vasconcelos é docente da UFBA e geógrafo com PhD 


________________________________________

Em, 17/03/2010
Perce Polegatto*

Escreveu:
A POÉTICA DE PERCE
... ficou linda a visualização dos poemas, puxa, fiquei encantado, sem exagero, uma bela harmonia de cores, o fundo e tudo o mais, além das fontes legíveis, agradáveis à leitura. Parece óbvio, mas não é: há inúmeros sites e blogs que usam fontes pequenas demais ou sem a menor noção de contraste, usam azul-escuro contra fundo negro, é preciso fazer um esforço para ler.
Obrigado mais uma vez, gostei muito de ver os poemas publicados por vocês, da UNID.

Abração.

*Educador e escritor domiciliado em Ribeirão Preto/SP. Alguns dos seus livros publicados: Lisette Maris, A Seta de Verena, A Conspiração dos Felizes e  Os Últimos dias de Agosto. Tem site em seu nome.


________________________________________


Em, 12/02/2010
Edelson Aurélio de Assis (bacharel em direito e jornalismo, do quadro técnico da UFBA, ocupou funções de direção na Prefeitura Municipal de Salvador

Escreveu:
Parabéns meu amigo. Sei que é uma luta árdua, mas o tempo vai provar  que o trabalho feito pela UNID trará bons resultados.

Edelson Aurélio de Assis


________________________________________

Em, 12/02/2010
Jocely Motta (Educador com bacharelado em Letras/Inglês, também em direito 
e especialização em educação de jovens)
 

Escreveu:
Prezado Ari,

Parabéns pelo site, bem elaborado, construído com recursos humanos primorosos. Participei recentemente de um aperfeiçoamento na Lei 10.639, complementada tb pela 11.645, que tratam do Ensino de História e Cultura Afro-descente e Indígena na educação brasileira. São leis que estão em vigor, mas sofrem dificuldades na sua aplicação, ora por falta de profissionais competentes, ora por desconhecimento da própria lei. De qualquer forma é muito bom saber que há espaços de estudo, publicação e divulgação dos trabalhos voltados para a cultura indígena, como forma de defesa de direitos, preservação de memória e identidade. Assim que puder, vou ver a possibilidade de intercâmbio com minha escola.

Até breve,
Jocely Motta

voltar ao topo

________________________________________



Em 20/01/2010

Murilo Mello (MSC em história, docente do terceiro grau em Salvador)

Escreveu:
Ary,

É um prazer conseguir compartilhar a nossa cultura e identidade, mesmo que de forma virtual, fico agradecido, e estas são as razões de existir dos e-mails. Visitei o site e achei uma magnífica atitude, um registro contemporâneo, realizado por artífices do presente, parabéns pela luta e registro. No que precisar e estiver no meu alcance conte comigo.

Abraço,

Murilo Mello

voltar ao topo


________________________________________


Em 06/01/2010
Margarida Santana <santana.margarida@yahoo.com.br>
[Margarida é docente do terceiro grau, MSC em educação, escritora e consultora]


Escreveu:
Querido Ari,
Primeiro, parabéns pelo empenho na luta por tão nobre causa !!!! Também, parabéns pelo site tão bem elaborado.Li o seu artigo. Concordo que precisamos desenvolver o sentimento de pertencimento a esta cultura que é nossa em contra posição alienígenas que invadem nossos lares, escolas etc. Estou saindo de férias, amanhã, com retorno, em fevereiro, quando repassarei  este site para meus alunos e alguns colegas professores que certamente darão mais visibilidade ao seu tão nobre trabalho.
Agora, com meu abraço e do João, os votos de um 2010 pleno de realizações. 

Margarida Santana (Niterói / RJ) 

voltar ao topo

________________________________________


Em 18/12/200

JOSÉ AMÂNCIO NETO

Escreveu:
Olá meu caro Ary, Parabéns pelo bem elaborado site e pelo seu trabalho em defesa dos indios descendentes. 

Um abraço.
JOSÉ AMÂNCIO NETO
Blog: joseamancioneto.blogspot.com 

voltar ao topo

________________________________________

Em 08/11/2009

Norma Couto (ceramista, mestre em artes, professora aposentada da UFBA)

Escreveu: 
Vi o site da UNIDBRASIL, muito legal. Estive até há pouco assistindo na TV Senado um documentário sobre Lévi-Strauss, além da parte da USP onde ele ficou por três anos [...] vi  uma reportagem muito boa sobre excursões do L-S à algumas tribos indígenas, os Kadiwéu em 1935 e às outras da nação Jê, os Bororo e outros, em 1938, foi muito interessante. Vocês têm TV paga?
 
Abração,
Norma (Salvador, Bahia)

voltar ao topo

________________________________________


Em 22/09/2009
Ricardo Mello
«nrsmello@hotmail.com»

Escreveu:
Amigo Ary,
à sua revelia distribui o endereço de seu sitio pela minha lista de endereços, e em particular solicitei a Oldack que veiculasse no seu blog Bahia de Fato.
Um abraço,

OS AMIGOS TAMBÉM FAZEM PARTE
22 de Setembro de 2009 nasce um site em defesa dos índiosdescendentes. J
osé de Arimatéia Nogueira Alves trabalhou uma vida como bancário do Banco do Nordeste do Brasil (BNB). Aposentou-se e se dedicou totalmente ao movimento em defesa dos índiosdescendentes. Ele fundou a União Nacional dos Indiodescendentes  UNID, sediada em Salvador e que está lançando sua página na Internet. Há seis anos o pessoal da UNID persegue sua proposta libertária. Para a UNID, o ser humano é o macro foco e os focos particulares são a história e a cultura dos povos indígenas. Não dá para descartar 10 mil anos de civilização, história e filosofia.

São trechos de seu EDITORIAL:
Aprendemos que além da reverência às nossas raízes étnicas e regionais temos que perceber nos outros a integridade biológica, cultural e espiritual, na sua magnitude humana. Rejeitamos a xenofobia, o preconceito, o nacionalismo vazio e o exclusivismo, o que não exclui nosso direito de exaltar a beleza e o significado da cultura indígena e indigenodescendente. A exclusão é uma só, independente do fundo racial, genético-biológico, geralmente refletindo formas exacerbadas de construtos sócio-culturais, políticos, religiosos etc. O meio ambiente terá o seu espaço nesta página eletrônica. Com isso estamos superando uma deficiência matricial; afinal, identidade é um tema correlato à vida, portanto, ao meio ambiente. São quinhentos anos de matança.

Ricardo Mello

voltar ao topo

________________________________________

Em 08/06/2009

Vera Rocha < verantropologa@hotmail.com >
 
Escreveu:
Desculpa a demora em responder seu email, estou no maior corre-corre na faculdade. Adorei a página, está bem atualizada (com comentários recentes) e vc está de parabéns por compartilhar os dados da sua pesquisa! Ah! E a página está linda!!!! Não sabia da sede no Edifício Sulacap... Parabéns!
Sempre visitarei a página da UNID.

Abraços!
Vera Rocha

voltar ao topo

________________________________________


Em 07/06/2009

Getúlio 

Escreveu:
Ary,
Uma raridade. Tanto pela elegância visual como pela sobriedade e pertinência dos temas abordados. Vou enviar para outros curibocas e mamelucos.

Getúlio

voltar ao topo

________________________________________


Em 02/06/2009

Nação Mestiça < nacaomestica@nacaomestica.org >


Escreveu:
Parabéns, Arimatéa!

O site está realmente bonito. Já atualizamos o endereço.Te recomendo ir ao Google e incluir o site na lista de busca dele.
Recomendamos também a todos visitar o site e verificar o trabalho que o importante trabalho que a  UNID e o José Arimatéa têm realizado na Bahia.
Um grande abraço.

Leão Alves

voltar ao topo

 
  Site Map